Limite os efeitos colaterais de uma vacina naturalmente

Uma vacina geralmente é específica para uma doença, mas não para outra (vacina contra hepatite B e vacina contra tétano). A vacinação consiste na introdução de uma substância (germe, bactéria, vírus) no organismo com o objetivo de provocar a produção de anticorpos para proteção contra a doença. A substância ativa de uma vacina é um antígeno destinado a estimular as defesas naturais do corpo (o sistema imunológico). A reação imune permite que o antígeno seja armazenado de forma que a imunidade possa ser ativada mais rapidamente durante uma próxima contaminação.

Os anticorpos são produzidos por linfócitos B que se diferenciam em células plasmáticas. No entanto, algumas vacinas não causam a formação de anticorpos, mas causam uma reação celular (BCG → vacina contra tuberculose). As vacinas só devem ser administradas a pessoas saudáveis.

Os diferentes tipos de vacinas:

Existem diferentes tipos de vacinas:

  • Vacinas bacterianas:
    • Vida atenuada
    • Morto (vacina anti-rábica)
    • Toxóides (toxinas produzidas por bactérias)
    • Polissacarídeos (parte do germe)
  • Vacinas virais:
    • Viva atenuada (vacina contra poliomielite)
    • Totalmente inativado (vacina contra hepatite A ou Sars-Cov-2)
    • Fração antigênica inativada (vacina contra hepatite B)

Quais são os riscos dos efeitos colaterais de uma vacina?

Os efeitos indesejáveis ​​dependem do agente infeccioso combatido, do tipo de vacina (atenuada, inativada, etc.), do modo de administração, da natureza do solvente, da presença de adjuvantes e conservantes químicos antibacterianos.

Tal como acontece com todos os medicamentos, as vacinas podem causar efeitos indesejáveis ​​(ou efeitos colaterais). Os efeitos colaterais mais comuns são febre moderada e dor ou vermelhidão no local da injeção. Os efeitos colaterais graves são muito raros e são cuidadosamente monitorados e pesquisados ​​quando ocorrem.

A notificação de possíveis efeitos colaterais, graves ou não, por profissionais de saúde e pacientes, ajuda a melhorar continuamente a segurança da vacina.

Contra-indicações para vacinação:

As vacinas são contra-indicadas nos casos de deficiência imunológica, principalmente celular, constitucional ou adquirida (neoplasia, tratamento com imunossupressores ou corticosteróides, HIV).

Algumas pessoas não podem ser vacinadas por motivos relacionados à sua condição. Estas contra-indicações (doença, gravidez para certas vacinas, alergia, etc.) são bem conhecidas e referem-se a cada vacina: antes de prescrever e depois de realizar a vacinação, o médico verifica se o paciente pode ou não ser vacinado na hora marcada.

Para limitar o risco de efeitos colaterais de uma vacina, alguns conselhos de bom senso devem ser seguidos:

  • Faça as vacinações obrigatórias:

Difteria, tétano, poliomielite e hepatite viral para profissionais de saúde.

  • Além disso, faça apenas as vacinas essenciais atendendo à idade da pessoa, convivência comunitária, atividade (profissional e lazer), viagens:

Por exemplo, o tétano é fortemente recomendado para pessoas que fazem jardinagem.

  • Prefira vacinas unitárias a injeções contendo várias vacinas incorporadas:

As reações serão menos graves com vacinas únicas do que com vacinas múltiplas na mesma injeção. Infelizmente, os unitaristas estão cada vez mais difíceis de encontrar.

  • Vacinações espaciais o mais longe possível umas das outras:

Em caso de recalls, você apenas precisa se certificar de que permanece dentro do limite de tempo máximo exigido. Isso dá ao corpo a oportunidade de se recuperar no meio.

  • Evite vacinas com adjuvantes:

Olhe os rótulos. Porque, de acordo com as marcas, as composições das vacinas são diferentes.

  • Dê a vacina apenas a pessoas fisicamente saudáveis:

Faz sentido, mas muitas vezes é esquecido! Da mesma forma, evite ficar muito cansado nos dias seguintes à vacinação.

  • Evite vacinas (exceto a vacina contra a gripe ou Sars-coV2, para quem quiser) no outono e no inverno, durante os quais abundam muitos vírus, como a gripe e outras infecções.
  • Além disso, evite períodos de alta temperatura para as vacinações.
  • Respeite sempre as contra-indicações das vacinas.
  • A homeopatia é de grande ajuda para limitar os efeitos colaterais das vacinas a longo prazo:

Esses remédios podem ser tomados preventivamente ou para tratar um efeito colateral que já ocorreu. Não alterarão a ação da vacina sobre a doença-alvo, mas reduzirão as possíveis reações negativas: infecções recorrentes, alergia, fibromialgia, síndrome de Guillain-Barré, etc.

Exemplo de um protocolo homeopático para limitar os efeitos adversos das vacinas:

Em relação à vacina Covid-19:

Esses remédios muito úteis não previnem, no entanto, riscos graves, como a esclerose múltipla ou outras doenças degenerativas que parecem estar ligadas à reativação pela vacina de genes em estado latente na pessoa.e.

 

Clémentine. M.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *