Métodos homeopáticos em patologias crônicas

crônicas

Sabemos que o bom funcionamento do organismo em um estado saudável é garantido por uma infinidade de sistemas fisiológicos de autorregulação . De facto, somos perpetuamente sujeitos, durante a nossa vida, a ataques de diferentes origens (física, química, bacteriana, psíquica, etc.) que, graças aos nossos sistemas auto-reguladores, sofremos sem danos e sem nos darmos conta.

Se esses ataques se tornam topos intensos em comparação com as possibilidades de reação de nosso organismo, nossos sistemas auto-reguladores ficam sobrecarregados e mostramos sinais de sofrimento ; em seguida, apresentamos reações anormais que podem afetar diferentes dispositivos e resultar em sintomas objetivos e subjetivos . No entanto, para a mesma agressão, os diferentes organismos não reagem todos da mesma maneira. Por exemplo, para o mesmo patógeno, alguns indivíduos apresentarão angina, bronquite , sinusite ou diarreia … enquanto outros (mais resistentes) permanecerão clinicamente livres de qualquer manifestação patológica.

Qual é a noção de terra?

Cada indivíduo apresenta um “ terreno ” diferente que determina para cada um a sua forma de reagir a uma determinada agressão. Essa noção de campo domina a clínica e a terapia em patologia crônica . É claramente percebido e reconhecido por todos os médicos que diariamente observam que os indivíduos vivenciam a doença de maneiras diferentes. Isso, de acordo com suas características pessoais, seu “ background individual ” clinicamente óbvio, mas difícil de definir no estado atual de nosso conhecimento.

A melhor maneira de entender essa importante noção é estudar seu desenvolvimento histórico desde Hahnemann .

A abordagem de Hahnemann para patologias crônicas

Depois de ter definido e codificado a homeopatia nos últimos anos do século XVII, Hahnemann observou por meio de sua prática, durante os primeiros quinze anos do século XIX, que obtinha muito bons resultados no tratamento da patologia aguda .

Reflexão sobre as dificuldades na patologia crônica:

Hahnemann percebe isso; se ele aplica o método de tratamento de uma patologia aguda que ele recomendou para um paciente crônico; ou seja, se dá ao paciente o (s) medicamento (s) cujos sinais patogenéticos correspondem aos sintomas apresentados ou sentidos no momento da consulta, obtém resultados muito menos evidentes. Portanto, testemunha recaídas dos fenômenos patológicos tratados . Na verdade, ele está na presença de falhas parciais ou totais do tratamento.

A comparação com a sífilis:

Para entender completamente as conclusões a que Hahnemann chega , é preciso colocar-se no contexto histórico.

Naquela época, sífilis, gonorréia e doença de Nicolas-Favre se confundiam.

Para evitar os inconvenientes das terapias bárbaras da época em relação à sífilis; recomendou o uso de um sal solúvel de mercúrio , cuja preparação havia codificado, em doses atóxicas, apenas o suficiente para causar a febre do mercúrio a que atribuía a cura da doença.

Entre os anos 1810-1820, contra a opinião dos venereologistas clássicos da época, Hahnemann separou a gonorreia da sífilis.

Como meio terapêutico, recomenda o uso, em doses infinitesimais , de seu mercúrio solúvel (que na verdade é um nitrato de mercúrio e amônio), que considera ser o medicamento específico para a sífilis.

Não é proibido pensar, retrospectivamente, que os bons resultados terapêuticos que obteve foram ao mesmo tempo a consequência:

  • De impedir doses tóxicas de preparações de mercúrio.
  • Eliminação , sob o efeito de doses infinitesimais de sais de mercúrio, do mercúrio fixado nos organismos.

Seja como for, a sífilis se tornará para Hahnemann o exemplo típico de doença infecciosa crônica ou “ miasmática ” , como diziam naquela época, quando a bacteriologia ainda não nascera. ( Louis Pasteur viveu de 1822 a 1895).

As três “doenças crônicas” de Hahnemann

Hahnemann descreve três miasmas responsáveis ​​por três “doenças crônicas” de importância muito diferente. Duas são venéreas contagiosas, a outra é cutânea contagiosa:

  • A sicose , a menos importante de todas, resulta essencialmente em vegetações cutâneas, especialmente genitais, que se seguem à gonorreia; é a consequência do miasma de gonorréia.
  • A sífilis ou doença venérea cancerosa, mais disseminada que a anterior, é consequência do miasma sifílico.
  • A psora , a mais comum de todas (7/8 dos pacientes segundo Hahnemann ), é o resultado de um miasma cutâneo (escabiose) que nem sempre é fácil de demonstrar pela anamnese.

Terapêutica para pacientes crônicos de acordo com Hahnemann:

Para ele, todas as doenças crônicas podem ser radicalmente curadas por tratamento interno com o (s) medicamento (s) específico (s) para o miasma causal . É suficiente tratar a doença no momento da erupção primária , pois toda a doença é tratada assim : doença interna + manifestação cutânea.

  • A sífilis encontra seu medicamento específico em doses infinitesimais de Mercurius solubilis .
  • A sicose é curada por doses de Thuja occidentalis alternadas com doses de Nitricum acidum .
  • Quanto à psora , suas manifestações clínicas são muito variadas e multiformes.

O líder dos medicamentos “antipsóricos”, para usar o termo utilizado por Hahnemann , é o Enxofre mas, na maioria das vezes, sendo o caso patológico antigo ou complicado, será necessário recorrer aos 47 medicamentos estudados no tratado de “ Doenças crônicas”.

Técnica de abordagem para pacientes crônicos de acordo com Hahnemann

Depois de todos esses prolegômenos, Hahnemann deu conselhos práticos para encontrar medicamentos homeopáticos em pacientes crônicos. Em homeopatia, não devemos nos interessar apenas pelos sintomas presentes ou atuais, mas também por toda a sintomatologia anterior à consulta, por toda a sintomatologia evolutiva da doença no tempo e no espaço.

Devemos abordar os sintomas como um todo somático e psíquico indissociável “considerando todo o estado da pessoa”, interessando-nos pela etiologia dos distúrbios a serem tratados (antecedentes pessoais e hereditários, condições de aparecimento ou manutenção dos distúrbios. , higiene pessoal ou profissional), tendo também em consideração o tipo sensível da pessoa (carácter, espírito, constituição).

 

Fontes bibliográficas médicas e ensaios clínicos :

  • Denis Demarque. “Homeopatia; Medicina da experiência ”. Maisonneuve, 1982
  • JL Cal, F. Larue, J. Guillemain e J. Cambar. “Influência da duração do pré-tratamento no efeito protetor do Mercurius corrosivus no que diz respeito à toxicidade (…)”; Homeopatia francesa, 1986
  • Samuel Hahnemann. “Doutrina e tratamento homeopático de doenças crônicas”, traduzido por AJL Jourdan, 1846

 

Clementine. M.
Naturopata – Aromaterapeuta / Herbalista – Fitoterapeuta
Consultor em Clínica Fito-aromaterapia e Etnomedicina

Leave a Reply

Your email address will not be published.