Crono-saúde na era dos ritmos biológicos

Como Chronos (o deus do tempo na mitologia grega), nada é constante em nosso ambiente. Não operamos de forma simples ou linear, mas operamos de forma rítmica. Além disso, certos distúrbios ambientais modulam nossos ritmos biológicos. O estudo dos ritmos biológicos ou crono-saúde é uma disciplina científica nascida há cerca de 30 anos. O comportamento alimentar tem sido objeto de inúmeros estudos com o objetivo de definir sua organização rítmica. As consequências dos ritmos do consumo de alimentos na fisiologia corporal são, em última análise, numerosas.

Por que os ritmos biológicos influenciam a escolha dos alimentos?

As variações rítmicas nas preferências de nutrientes atendem às necessidades fisiológicas; os carboidratos atendem às necessidades energéticas imediatas no início do período de vigília, enquanto o consumo de proteínas e gorduras no final desse período é uma ingestão antecipatória direcionada ao armazenamento de nutrientes para seu uso durante o período de sono. Além de nossas necessidades fisiológicas, a hora do dia também afeta nossas preferências sensoriais, especialmente para a textura dos alimentos.

A periodicidade do comportamento alimentar

Não comemos continuamente ou aleatoriamente na escala de 24 horas. Nosso comportamento alimentar varia periodicamente ou ritmicamente. Na verdade, comemos e bebemos de acordo com horários estruturados no tempo. É durante o período de vigília que ingerimos alimentos e bebidas, enquanto durante o período de sono não comemos nem bebemos.

Combinamos alimentos e bebidas em refeições de diferentes tamanhos e consumos em intervalos diferentes. A sequência e a composição das refeições variam de forma previsível e periódica. Embora nossa dieta dependa de muitos estímulos físicos, sociais e culturais, existem ritmos temporais em nossas preferências nutricionais.

O que é um ritmo biológico?

Um ritmo biológico é a variação periódica de uma função fisiológica em um organismo vivo. No nível celular, essa noção se traduz em uma distribuição rítmica de energia, garantindo uma síntese após a outra e, assim, distribuindo funções bioquímicas ao longo do tempo. Na escala orgânica, essa sucessão rítmica resulta em funcionamento variável do órgão.

Os ritmos são baseados em um componente genético e ambiental. O homem, de fato, possui um ritmo endógeno próprio, com um período estável, bem conhecido pelas experiências de isolamento. O período desse ritmo, denominado “fluxo livre”, codificado no cromossomo 4 onde foi identificado o locus contendo o gene clock, é estimado em 24 horas e 11 minutos. É nessa base genética que o meio ambiente intervém por meio de um relógio biológico interno. Este é de fato ajustado a sincronizadores externos, como alternância dia / noite ou variações climáticas e, ao criar uma interface com ritmos endógenos, garante o faseamento do corpo com seu biótopo. Este relógio, também conhecido como “oscilador interno”, está localizado nos humanos ao nível do hipotálamo.

Crono-fisiologia:

Crono-fisiologia é a análise da fisiologia humana através das lentes do tempo. Ajuda a identificar funções metabólicas, neurológicas ou endócrinas que são acionadas apenas em determinados momentos do dia, para preparar o corpo para um evento previsível.

É o caso do sistema endócrino rico em funções crono-moduladas:

  • As glândulas supra-renais, por exemplo, secretam cortisol em quantidades cinco vezes maiores pela manhã entre 6 e 8 da manhã em relação à noite (pela hiperglicemia que causa, esse hormônio prepara o funcionamento muscular ao acordar e evita as fraquezas que a noite sem a ingestão de alimentos poderia ter induzido)
  • A glândula tireóide secreta a quantidade máxima de tiroxina pela manhã por volta das 9h (preparando o cérebro para o estresse do dia)
  • O pâncreas secreta insulina de forma pulsátil fora da dieta (garantindo o armazenamento de carboidratos em linha com a atividade física)
  • A glândula pineal secreta melatonina apenas à noite (condicionando a sonolência)
  • A hipófise secreta duas vezes mais hormônio do crescimento à noite do que durante o dia (garantindo o crescimento ósseo da criança em repouso e participando da estabilização glicêmica noturna)
  • Os ovários têm uma periodicidade secretora mensal de estrogênio (regulando os períodos de fertilidade feminina)

Crono-patologia:

Se houver ritmos endógenos fisiológicos, sua interrupção pode gerar crono-patologias, terminologia que denota a decodificação temporal dos sintomas. É claro que nem todas as patologias humanas podem ser estudadas desse ângulo, mas essa abordagem pode enriquecer nossa percepção e compreensão das doenças. Alguns exemplos ilustram os princípios:

  • As oscilações de açúcar no sangue do diabético:

Eles são, portanto, expressos de acordo com um ritmo comum a todos os pacientes. Sua tradução, independentemente de qualquer dieta, desenha uma acrofase constante entre 8 e 10 horas da manhã e entre 20 e 23 horas da noite, enquanto o nadir glicêmico é entre 16 e 18 horas da noite e 2 e 4 horas da manhã. manhã. Essa taxa é uma consequência direta das secreções de cortisol, adrenalina, tiroxina, hormônio do crescimento e da taxa de sensibilidade do tecido à insulina.

  • Depressão sazonal:

Outro exemplo de disritmia é a depressão sazonal, caracterizada por distúrbios de humor que começam no outono e desaparecem na primavera. Considerado como uma disfunção pineal resultando em uma reação inadequada à diminuição da luminosidade que ocorre durante o período de inverno, leva a níveis muito elevados de melatonina durante o dia. O resultado é uma mudança de fase, hipersonia e um estado depressivo crônico. A fototerapia, portanto, restaura o equilíbrio endócrino ao inibir essa secreção inadequada de melatonina, que ajuda a melhorar o humor.

  • Ataques de asma paroxística:

Podem ser um último exemplo de crono-patologia, por ocorrerem preferencialmente entre as 21h00 e as 17h00. De fato, é durante esse período que a sensibilidade brônquica aos fatores irritantes é máxima devido à diminuição fisiológica do diâmetro brônquico causada pela batifase secretora da adrenalina, norepinefrina e cortisol, combinada com o aumento do tônus ​​vagal e da sensibilidade brônquica à histamina.

Crono-nutrição:

A crono-nutrição é uma forma de alimentação respeitando as secreções hormonais e enzimáticas do corpo.

Esta dieta é baseada nas secreções hormonais e enzimáticas do corpo, que variam dependendo da hora do dia:

  • De manhã, recomenda-se ingerir gorduras e proteínas, pois a secreção de lipases e proteases é importante no início do dia.
  • Além disso, ao meio-dia é recomendável fazer uma refeição rica em proteínas e carboidratos lentos, pois as proteases e amilases são secretadas de forma significativa neste exato momento.
  • Durante a tarde, o pico do cortisol no sangue vai gerar hipoglicemia, que será limitada se você consumir frutas ou doces nesse horário.
  • Finalmente, à noite, as secreções digestivas são fracas, o que implica um jantar mais leve e à base de vegetais e proteínas magras.

A crono-nutrição é mais um modo de vida do que uma dieta. Trata-se de comer respeitando as necessidades fisiológicas do organismo. Portanto, não há limite de tempo. Os bons hábitos alimentares devem ser mantidos por toda a vida, mesmo após atingir o peso desejado.

Origens:

  • Thibault, L, Booth DA : Macronutrient-specific dietary selection in rodents and its neural bases. Neurosci Biobehav Rev 23:457, 1999.
  • Expertise collective Inserm, Rythmes de l’enfant : de l’horloge biologique aux rythmes scolaires, 2001.
  • Osseni R.A., « Circadian rhythms of glutathione and mitochondrial activity in human hepatic cell line. Influence of melatonin », in : Biological Clocks, Mechanisms and Applications, Elsevier Science, 1998.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *