Viva melhor com rinite alérgica sazonal

rinite alérgica sazonal

A rinite é uma inflamação leve, aguda ou crônica do revestimento das cavidades nasais. Em outras palavras, ela tem muitas causas e pode assumir muitas formas. O mais comum é devido à coriza ou resfriado. Pode ser crônica e é caracterizada por um espessamento mais ou menos significativo (hipertrofia) da mucosa nasal, chegando às vezes a obstrução severa das fossas nasais.

Na primavera ou no verão, muitas rinites são decorrentes de alergia a pólens, mas outros alérgenos como ácaros, pêlos de animais, bolores, poeira, entre outros, não devem ser negligenciados.

O que é rinite alérgica sazonal?

Também conhecida como rinite alérgica, anafilática ou perene, é a forma nasal de alergia que resulta, entre outras coisas, em espirros frequentes, coriza significativa e congestão das cavidades nasais. Freqüentemente, é uma rinite por pólen, ou seja, desencadeada por pólens alergênicos (polinose). O tratamento é bastante padronizado, principalmente à base de anti-histamínicos ou cortisona. Existem programas de dessensibilização ao pólen, principalmente gramíneas.

Existem 2 tipos de rinite alérgica:

  • Rinite alérgica sazonal, chamada febre do feno:

Na maioria das vezes, é causada por alérgenos na planta, que variam de acordo com a estação do ano.

Os alérgenos vegetais comuns incluem o seguinte:

  • Na primavera: pólens das árvores (carvalho, olmo, bordo, amieiro, bétula, zimbro, oliveira)
  • No verão: pólens de gramíneas (cynodon, capim timóteo, quackgrass, dáctilo, Johnson) e pólens herbáceos no verão (cardo russo, banana inglesa)
  • No outono: outros pólens de gramíneas (ambrosia)

As causas também variam de região para região e a rinite alérgica às vezes é devida a esporos fúngicos transportados pelo ar.

  • Rinite persistente:

É o resultado da exposição durante todo o ano a alérgenos inalados em casa (fezes de ácaros, baratas, fragmentos de pêlos ou penas de animais) ou a uma forte reatividade ao pólen das plantas por muitos anos.

Vamos nos concentrar um pouco mais nos alérgenos:

  • Herbaceae:

Asteraceae ou Compositae agrupam cerca de 25.000 espécies que incluem ambrosia e artemísia em particular. A ambrosia, introduzida acidentalmente na França de 50 anos (por paraquedistas americanos), é responsável em particular pela polinose severa e asma em indivíduos freqüentemente sensibilizados a alimentos como o aipo. A ambrósia tem a particularidade de ter uma polinização explosiva concentrada na segunda quinzena de agosto e início de setembro. Artemísia poliniza de meados de julho a meados de outubro. Os pólens são muito alergênicos e causam rinoconjuntivite e asma.

As Urticaceae incluem cerca de 700 espécies, principalmente tropicais. Na Europa são encontrados principalmente os pariitaires. O parietário é responsável pela persistência da rinoconjuntivite e asma grave, sua polinização, tão abundante quanto a das gramíneas, se espalha por um longo período (de abril a meados de outubro).

  •  Árvores:

As árvores são uma importante fonte de pólen com forte poder alergênico. Sua polinização se estende por um longo período; começa entre dezembro e fevereiro dependendo da área geográfica com ciprestes e thuja no sul da França e termina no final de junho, início de julho com castanheiros. A alergia ao pólen de cipreste tem a particularidade de ser uma polinose de inverno responsável pela rinoconjuntivite intermitente e, mais raramente, pela asma.

Cupressaceae inclui cipreste, zimbro e thuja. Os pólenes de bétula são de grande importância clínica, sendo emitidos de março a abril no norte e no leste da França.

Betulaceae inclui vidoeiro, amieiro, carpa e avelã. Também encontramos pólenes de plátanos e Fagaceae; faia, castanheiro e carvalho.

Os pólenes anemófilos, como os da oliveira, podem ser recolhidos à distância do seu local de emissão em locais pouco habituais para estas árvores, outros como os das mimosas têm apenas uma função local.

Oleaceae, além de oliveiras, incluem freixo, alfeneiro e lilás.

Pinaceae, cujo papel alergênico é muito reduzido, incluem abetos, pinheiros, abetos vermelhos, lariços e cedros.

Alguns conselhos naturopatas em caso de rinite alérgica sazonal:

  • Descarte objetos que acumulam poeira, como bugigangas, revistas, livros e fiapos
  • Use travesseiros de fibra sintética e protetores de colchão à prova d’água
  • Lave frequentemente lençóis, fronhas e cobertores em água quente
  • Limpe a casa com frequência (poeira, aspirador e esfregona úmida)
  • Remova móveis estofados e tapetes ou aspire-os com frequência
  • Substitua as cortinas por persianas
  • Use desumidificadores em porões e outras salas mal ventiladas e úmidas
  • Prefira aspiradores de pó com filtros de partículas de alta eficiência
  • Limite o acesso de animais de estimação a certos quartos ou mantenha-os fora
  • Use óculos escuros quando estiver fora ou no jardim
  • Escove ou lave o cabelo antes de dormir (os alérgenos podem permanecer no cabelo e depois se instalar no travesseiro).
  • Feche as janelas em dias de vento ou quando houver muito ar
  • Evite praticar esportes ao ar livre durante polinização intensa
  • Não seque a roupa fora
  • Evite caminhadas pelo campo em dias de alta polinização
  • Pratique lavagens de nariz diárias

Gatilhos complementares não alergênicos (fumaça de cigarro, odores fortes, vapores irritantes, poluição do ar, baixas temperaturas, alta umidade) também devem ser evitados ou controlados quando possível.

Que remédios de ervas devo tomar para a rinite alérgica sazonal?

Este botão é o remédio para qualquer síndrome inflamatória começando na membrana mucosa na fase supurativa aguda.

A calêndula tem uma atividade anti-asma com efeito anti-histamínico.

Conhecida por suas propriedades anti-histamínicas, esta planta é útil na asma e alergias.

A camomila Matricaria é conhecida por ser uma erva anti-alérgica e anti-histamínica.

O rabanete preto é antialérgico e descongestionante nasal por derivados de glucosinolato.

Este óleo essencial é antiinflamatório e antialérgico por inibir a liberação de histamina pelos mastócitos.

A verbena perfumada é espasmolítica e anti-histamínica por inibir a liberação de histamina. Eles também são antiinflamatórios.

Leave a Reply

Your email address will not be published.