Plantas alcalóides, remédios ou venenos?

Plantas alcalóides, remédios ou venenos?

A palavra alcalóide é um termo genérico para designar compostos mais ou menos complexos de origem vegetal, cujas principais características são a presença de nitrogênio na molécula e uma alcalinidade mais ou menos pronunciada. Em baixas doses, eles têm propriedades fisiológicas e farmacêuticas, mas exibem alta toxicidade em altas doses. Entre os alcalóides mais famosos estão os extratos de papoula: codeína, morfina (descoberta em 1805 no ópio). Hoje conhecemos mais de mil, entre estricnina, quinina, atropina, colchicina, todas de origem vegetal.

A ciência dos venenos

A farmacologia é inseparável da toxicologia. A toxicologia é a ciência dos venenos; pode se resumir em uma frase: “O importante é a dose! ”

Ao usar substâncias ativas, deve-se ter em mente este preceito de Theophraste von Hohenheim, conhecido como Paracelso (1493-1541): “Se você quer explicar com precisão a ação de cada veneno, então deve perguntar o que não é veneno? Todas as substâncias são venenosas e nenhuma é inofensiva. É a dose que torna uma substância não tóxica. ”

Qualquer substância seria, portanto, potencialmente tóxica, e essa toxicidade estaria relacionada à dose administrada. A veracidade desse raciocínio, porém, depende da dose que atinge um determinado órgão, ou seja, seu perfil toxicocinético (destino da substância no organismo) e toxicodinâmico (ação sobre seu alvo).

Alcalóides tropânicos

Solanaceae officinal :

Este grupo é caracterizado pela presença de alcalóides, todos com propriedades parassimpatolíticas, causando em particular a midríase. Sua toxicidade é conhecida há muito tempo e todos os órgãos contêm alcalóides. As Solanaceae constituem uma importante família botânica que inclui, por um lado, as plantas venenosas, entre as quais se destacam a beladona, a datura e o meimendro negro.

⇒ Atropina e hiosciamina :

A hiosciamina contida na beladona, datura e meimendro negro é mais ativa do que a atropina, mas esses dois alcalóides têm as mesmas propriedades farmacológicas:

  • Ação no sistema nervoso central :

Eles causam, em altas doses, excitação, o que pode resultar em um verdadeiro delírio de atropina. Esta ação é fraca nas doses usuais, mas alguns indivíduos são particularmente sensíveis aos efeitos centrais da atropina, em particular crianças pequenas, animais e idosos.

  • Ação no sistema nervoso autônomo :

Têm ação parassimpatolítica em doses terapêuticas, são antagonistas da acetilcolina. A atropina inibe os receptores muscarínicos localizados nos órgãos periféricos inervados pelas fibras pós-ganglionares do parassimpático, o que causa midríase, broncodilatação, vasoconstrição, aumento da freqüência cardíaca, diminuição da peristalse, ressecamento de todas as secreções (salivar, gástrica, suor, lacrimal, brônquica) , aumento da pressão intra-vesical e ação antiespasmódica.

Os riscos de efeitos colaterais são numerosos: taquicardia, prisão de ventre, boca seca, excitação, nervosismo, insônia …

⇒ Escopolamina :

Em doses terapêuticas é uma substância sedativa para o sistema nervoso central e antiparkinsoniana; é também uma substância parassimpatolítica (mais fraca que a atropina) e um antiespasmódico.

Seu uso pode causar efeitos colaterais comparáveis ​​aos da atropina, mas com risco de sonolência, suas contra-indicações são as mesmas. Entra na composição de especialidades com finalidade analgésica, em associação com outros princípios ativos.

Alcalóides quinolizidina

O cabo de vassoura :

⇒ Sparteine :

Spartein é ocitócico e ganglioplégico. Ao isolar o coração das influências do sistema nervoso autônomo, tem ação tonicardíaca. Pode ser usado durante o parto para melhorar as contrações uterinas. É também utilizado, por sua ação reguladora e tônica, em certos distúrbios do ritmo cardíaco, taquicardia de origem neurotônica e eretismo cardíaco. A escoparosida tem propriedades diuréticas usadas na medicina fitoterápica.

Alcalóides isoquinoléicos

Papoula :

Poppy contém vários alcalóides, como morfina, codeína, noscapina e papaverina.

⇒ Morfina :

A morfina da papoula atua ao nível do córtex cerebral e do centro da dor; em dose baixa é, em primeiro lugar, um estimulante que causa euforia e sensação de bem-estar, depois, em dose mais alta, é um depressor que leva à redução das percepções nociceptivas e, portanto, à abolição da dor. Secundariamente, há sonolência (ações analgésicas e hipnóticas).

A morfina deprime o centro respiratório bulbar, causa depressão respiratória tanto mais importante quanto a dose é alta, que pode ir até a apnéia; também deprime o centro da tosse e, portanto, tem ação antitússica. No nível digestivo, é um estimulante gástrico, que pode causar náuseas e vômitos, e também moderador do peristaltismo intestinal (ação antidiarreica). No nível cardíaco, um efeito de bradicardização é observado com vasodilatação e hipotensão. É finalmente uma substância estupefaciente.

Usado como um analgésico principal no tratamento de dores “fortes” resistentes a qualquer outra terapia, o uso de morfina requer monitoramento cuidadoso do paciente devido às suas propriedades a nível respiratório e cardíaco em particular.

⇒ Codeína :

Tem as mesmas propriedades da morfina, mas é menos tóxico. Antitussígenos de ação central, são utilizados no tratamento sintomático de tosses não produtivas. A codeína não deve ser administrada a pacientes com insuficiência respiratória, asmáticos e crianças. As propriedades analgésicas da codeína são usadas, geralmente em combinação com um analgésico periférico.

O uso de codeína pode causar sonolência, náuseas e prisão de ventre.

⇒ Noscapina :

Este alcalóide não é muito ativo no sistema nervoso central, é um sedativo da tosse não viciante.

É usado no tratamento de tosses não produtivas, muitas vezes combinado com outros ingredientes ativos. Como a codeína, é contra-indicada em casos de insuficiência respiratória ou asma.

⇒ Papaverina :

Nem analgésico nem narcótico, este alcalóide é um espasmolítico musculotrópico que relaxa as fibras musculares, especialmente quando estão em contratura. Atua principalmente no nível vascular periférico.

É proposto como vasodilatador periférico e anti-isquêmico nas sequelas de acidentes vasculares ou traumas cranianos, nas doenças da retina de origem vascular, nas arterites de membros inferiores ou mesmo nas doenças periféricas arteriais ou circulatórias venosas.

Alcalóides tropolônicos

Colchicum :

⇒ Colchicinae :

A colchicina é antimitótica, mas muito tóxica para ser usada como antitumoral. Também tem ação antiinflamatória, o que o torna o tratamento específico para crises agudas de gota. Atua apenas nos fenômenos que mantêm a inflamação, mas não tem efeito no metabolismo do ácido úrico.

É uma substância venenosa em baixas doses, particularmente eficaz se usada no início dos primeiros sintomas do ataque de gota. Os efeitos colaterais, em particular o risco de diarreia, porém, exigem a redução da dosagem.

Alcalóides indólicos

Rye Ergot :

⇒ Ergometrina :

Este alcalóide tem um efeito predominante no útero, aumentando o tônus ​​basal, a freqüência e as contrações do útero por meio da estimulação dos receptores adrenérgicos do miométrio. Esta atividade é ainda mais acentuada se o útero estiver grávido. A hipertensão uterina explica os efeitos anti-hemorrágicos da ergometrina.

Na forma de metilergometrina, é utilizada como tônico uterino na prevenção e tratamento de hemorragias uterinas de etiologia conhecida, em particular no pós-parto.

⇒ Ergotamina :

Em baixas doses, é fortemente vasoconstritor por estimulação dos receptores adrenérgicos. Há uma reação tônica vascular particularmente acentuada no nível periférico.

Em altas doses, é uma ação antagonista e, portanto, adrenolítica, porém fraca.

A ergotamina e seus derivados são utilizados principalmente como medicamento anti-enxaqueca, devido às propriedades vasoconstritoras. O tartarato de ergotamina é específico para o tratamento de crises de enxaqueca e cefaleias vasomotoras, desde que seja administrado o mais cedo possível quando surgem os sinais de alerta. A diidroergotamina é o tratamento básico para a enxaqueca.

Pervinca tropical :

É acima de tudo adrenolítico: é um vasodilatador periférico que aumenta o fluxo sanguíneo muscular e cerebral. É utilizado na patologia cerebrovascular (distúrbios psico-comportamentais da senescência), distúrbios sensoriais (tonturas, zumbido), acidentes vasculares cerebrais, traumas cranianos e suas sequelas. Uma sinergia é observada com os alcalóides hidrogenados da cravagem do centeio com os quais pode ser combinada.

⇒ Vincristina e Vimblastina :

Esses dois alcalóides têm propriedades antimitóticas; ao prevenir a formação do fuso, a mitose bloqueia assim na metáfase.

A pequena pervinca :

⇒Vincaminee :

Espasmolítico com propriedades vasodilatadoras periféricas, cujos efeitos são particularmente favoráveis ​​na irrigação e oxigenação cerebral, a vincamina é proposta como um agente anti-isquêmico em doenças cerebrovasculares, em particular aquelas ligadas à senescência. É também utilizado nas sequelas de traumatismo cranioencefálico, distúrbios cócleo-vestibulares e distúrbios retinianos de origem isquêmica.

O criador de vômito :

⇒ Estricnina :

A estricnina, muito tóxica, é um estimulante do sistema nervoso central, a nível medular e bulbar. Em doses muito baixas, é um tônico nervoso e um estimulante da digestão, usado como antiassênico. Em doses mais altas, são observadas convulsões fatais.

A noz-vômito ainda é amplamente utilizada na homeopatia.

Alcalóides quinoléicos

A cinchona vermelha:

⇒ Quinina :

As propriedades do quinino são múltiplas :

  • É um tóxico celular que atua em particular nos protozoários e mais particularmente no Plasmodium, o agente responsável pela malária. Atua principalmente na forma assexuada de Plasmodium. Pode ser usado como preventivo ou curativo. No entanto, em altas doses, é tóxico e pode causar muitos efeitos colaterais.
  • O quinino tem ação antipirética, agindo sobre os centros nervosos termorreguladores; esta ação é particularmente marcada durante as febres da malária.
  • Sua ação no sistema cardiovascular é explicada pela toxicidade do quinino. Esta ação é fraca em doses usuais, mas pode causar efeitos colaterais. A hipotensão é então observada com a possibilidade de colapso por vasodilatação.

As ações atuais são principalmente o tratamento do ataque pernicioso de malária e dos casos de malária resistente a outros antimaláricos.

⇒ Quinidina:

É uma substância antiarrítmica capaz de deprimir as funções miocárdicas: diminui a excitabilidade e a condutividade do miocárdio. É, portanto, um poderoso sedativo cardíaco que pode ser usado no tratamento de sístoles extras ou na prevenção de taquicardias supraventriculares.

A quinidina também possui propriedades antimaláricas, mas seus efeitos no coração não permitem que seja usada nesta indicação. Sua toxicidade é maior do que a do quinino e pode causar distúrbios característicos do cinconismo.

Alcalóides imidazol


O Jaborandi
:

⇒ Pilocarpina :

Possui ação parassimpaticomimética: :

  • No olho, há miose e diminuição da pressão intraocular após a contração do esfíncter da íris e do músculo ciliar. É geralmente usado na forma de colírio no tratamento do glaucoma.
  • A pilocarpina, que pode ser usada no tratamento da boca seca, aumenta as secreções lacrimais, salivares e gastrointestinais.

Bases purinas

Bases de purinas como cafeína, teína (árvore do chá) ou mesmo teobromina (árvore do cacau) estão entre os alcalóides. No entanto, sua origem biossintética é diferente e esses compostos, portanto, não fazem parte da classe dos alcalóides, apesar de certas analogias.

!!! AVISO !!! Fora do ambiente médico, a maioria dessas substâncias pode levar à morte se usada incorretamente com dosagens inadequadas !!! Nunca use plantas alcalóides para automedicação. Estas plantas devem ser prescritas por um médico sob supervisão médica rigorosa!

Origens :

  • Bruneton J. Pharmacognosie, Phytochimie, Plantes médicinales. Ed. Tec et Doc 1997
  • Morel J-M. Traité pratique de Phytothérapie. Ed. Grancher 2008
  • R.R.Paris, H. Moyse. Matière médicale, Coll. Précis de pharmacie, Masson
  • Pharmacopée Française 10e édition
  • Roberts, M. F. Wink, and M. , Alkaloids -Biochemistry, Ecology, and Medicinal Applications, Book Reviews Phytochemistry 1999
  • Tanot, in Le Beau (P.) et Janot, Traité de Pharmacie chimique, IV, Paris 1955-1956

 

Clémentine. M.
Naturopata – Aromaterapeuta / Fitoterapeuta – Fitoterapeuta
Consultor em fito-aromaterapia clínica e etnomedicina

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *