Chá verde, espuma de jade com muitas virtudes milenares

Nativa das florestas tropicais das montanhas do sul da China, o uso da folha de chá, na forma de infusão, se confunde com a história da China, onde a planta é utilizada na medicina tradicional há mais de 5.000 anos., Para estimular funções cognitivas, tratar distúrbios digestivos, promover a eliminação de água, álcool e toxinas, ativar a circulação sanguínea e tratar a hipertensão.

O chá verde contém milhares de ingredientes bioativos, fornecidos principalmente por polifenóis, que desempenham um papel fundamental na prevenção e no tratamento de muitas doenças, devido às suas propriedades antioxidantes, antiinflamatórias, anticancerígenas, anti-cardiovasculares, antimicrobianas. -obesidade.

Um pouco de historia

Se a América ofereceu cacau, café da África e kawa da Oceania, resta apenas atribuir a gênese do chá à Ásia. Na China, diz a lenda que o imperador Chen Nong, “rei dos remédios” que testou mais de 300 plantas medicinais, provável inventor das agulhas de acupuntura, é também quem propagou a ideia de ferver água antes de bebê-la. Então, há mais de 5.000 anos, Chen Nong estava fervendo sua água quando uma leve brisa soltou algumas folhas de um arbusto próximo. Essas folhas caíram na água fervida e Chen Nong ficou surpreso ao descobrir uma infusão ao seu gosto e não deixou de notar os efeitos tônicos e eufóricos.

Quando Marco Polo entrou na China, o chá era há muito a bebida popular neste vasto país. Na época de Lao Tzu (século V aC), era usado como um tônico para o corpo e a mente, para afastar o sono e também para refinar a visão como tal, mas também a percepção interior, que classificava o chá entre as substâncias sagradas .

Chá, mais do que uma bebida de prazer :

Nas alturas tibetanas e no sudoeste da China, porém, o chá era alimento para milhões de seres humanos. Por exemplo, na China as folhas eram primeiro cozidas no vapor, esmagadas no pilão, fervidas com arroz e leite, temperadas com gengibre e cascas de laranja, enquanto no Tibete, além do chá batido na batedeira com sal e manteiga, tsampa, mingau feito de folhas de chá cozidas com cevada torrada e moída, foi preparada. Não era apenas uma questão de acomodação, como adicionar espinafre à manteiga, pois o tchang, o chá de manteiga, símbolo do sangue humano, era regularmente oferecido a uma divindade feminina governando sobre guerra, doença e morte.

A cerimônia do chá :

O rito comunal japonês, a cerimônia do chá, leva o anfitrião a acompanhar seus convidados até o pavilhão do chá, longe da acomodação principal. Bastante pequeno, é dotado do essencial e não do supérfluo, numa unidade que surge sem que nenhum dos objetos presentes se destaque dos demais. Neste local, “onde tudo se combina para colocar a alma num delicioso silêncio”, a sobriedade da decoração responde, no entanto, à pureza da água escolhida para o chá.

Entremos na sala de chá, cela monástica despojada, na qual reinam os silêncios. O serviço segue uma ordem rigorosa, cada um segurando a xícara sobre a qual está extasiado por dentro, girando-a por muito tempo em suas mãos. E cada um, um após o outro, vai absorvendo a “escumalha líquida de jade”, o mestre, o hospedeiro completando a degustação. Silenciosos agradecimentos fluem, louvamos, em palavras impregnadas de graça e economia, o serviço do chá, conclusão desta “vigília intensa e ativa no silêncio contemplativo”.

Vamos agora mencionar algumas virtudes terapêuticas do chá verde

Propriedades neuropsicológicas, cognitivas e neuroprotetoras :

A folha de chá tem propriedades neuroestimulantes devido ao seu teor de teína, que não é outro senão a cafeína. Na verdade, como acontece com o guaraná ou com o mate, a cafeína contida no chá aumenta a liberação de acetilcolina ou catecolaminas, o que melhora a atividade cognitiva (memória, atenção, vigilância, concentração).

Propriedades hipolipemiantes e cardiovasculares :

Rico em flavonóides, o chá inibe a oxidação do colesterol LDL, um indutor da aterogênese, que contribui principalmente para a redução do risco cardiovascular. Aumenta a produção de monóxido de nitrogênio e promove vasodilatação arterial, especialmente no nível aórtico.

Propriedades antidiabéticas e metabólicas :

O extrato de chá verde ajuda no controle da obesidade, estimulando a termogênese do tecido adiposo marrom, uma atividade que se descobriu ser muito maior do que a que pode ser atribuída apenas à cafeína. Suas propriedades termogênicas poderiam residir essencialmente em uma interação entre seu conteúdo de polifenóis (do tipo catequina) e de cafeína, e a noradrenalina liberada pelo sistema simpático.

Propriedades antimicrobianas :

Extratos de chá realmente exibem atividade antibacteriana contra várias bactérias gram positivas e gram negativas. Tomar chá em concentrações idênticas às encontradas na bebida (uma “xícara” de chá contém cerca de 3 mg de matéria seca por ml), portanto, inibe o Staphylococcus aureus resistente à meticilina.

Propriedades anticancerígenas :

As catequinas do chá inibem a proliferação de células tumorais e também promovem a destruição de células leucêmicas. Vários estudos epidemiológicos parecem indicar um efeito positivo do consumo de chá verde e a redução do risco de certos tipos de câncer, em particular de endométrio, ovários, mama e próstata.

Quais são os cuidados a serem tomados ao consumir chá verde :

Contra-indicações :

  • O uso de chá verde é contra-indicado em casos de úlceras gástricas ou duodenais progressivas, patologias cardiovasculares (hipertensão arterial, arritmia) e hipertireoidismo, sem supervisão médica.
  • O consumo de chá verde não é recomendado para mulheres grávidas ou amamentando.
  • Esta planta também é reservada para adultos.

Precauções para uso :

  • Não exceda as quantidades recomendadas.
  • Não combine a ingestão de cafeína e efedrina (risco de aumento da hipertensão e aumento do risco cardiovascular).
  • Evite a associação de produtos ricos em cafeína (café, guaraná, erva-mate, mate, noz de cola, etc.); risco cumulativo da molécula.
  • As dosagens diárias de cafeína são de no máximo 400-450 mg para um adulto.
  • Evite também tomar chá à noite; a presença de cafeína causa distúrbios do sono e reduz os efeitos sedativos.
  • Esteja ciente de que a cafeína aumenta a eliminação de cálcio e magnésio na urina.
  • Tome cuidado com pessoas com fígado fraco.

Interações medicamentosas :

  • A cafeína contida no chá pode de fato interagir com um grande número de drogas sintéticas, em particular com certos antibióticos (como quinolonas), teofilina e broncodilatadores, drogas psicotrópicas (IMAOs), anticoagulantes e agentes antiplaquetários, psicoestimulantes (anfetaminas, cocaína, efedrina) , tratamentos para diabetes, diuréticos, lítio, cimetidina, antiácidos, clozapina, alendronato e nicotina.
  • Os taninos do chá podem diminuir a absorção de ferro da mucosa intestinal.
  • Leve em consideração a contribuição da vitamina K no chá em caso de ingestão conjunta de antivitamina K.
  • O chá verde também pode limitar a absorção de ácido fólico.

Origens :

  • XING L. et al. Recent Advances in the Understanding of the Health Benefits and Molecular Mechanisms Associated with Green Tea Polyphenols. J Agric Food Chem. 2019 Jan 30
  • CAULI O. et al., Caffeine and the dopaminergic system, Behav Pharmacol., 2005
  • HOOPER L. et al. Flavonoids, flavonoid-rich foods, and cardiovascular risk. A meta-analysis of randomized controlled trials, Am J Clin Nutr., 2008 Jul
  • DULLOO A.G et al., Grenn tea and thermogenesis : interactions between catechin-polyphenols, cafeine and sympathetic activity, International Journal of Obesity, 2000
  • HAMILTON-MILLER J.M., Antimicrobial properties of tea (Camellia sinensis L.), Antimicrob Agents Chemother., 1995 November
  • TANG N.P. et al., Tea consumption and risk of endometrial cancer : a mataanalysis, Am J Obstet Gynecol., 2009 Dec
  • ZHANG M. et al. Tea consumption and ovarian cancer risk : a case control study in China, Cancer Epidemiol Biomarkers Prev, 2002
  • OGUNLEYE A.A et al. Green tea consumption and breast cancer risk or recurrence : a meta-analysis, Brast Cancer Res Treat, 2010 Jan

 

 

Clémentine. M.
Naturopathe – Aromathérapeute / Herboriste – Phytothérapeute
Consultante en phyto-aromathérapie Clinique et Ethnomédecine

Deixe um comentário