O papel dos suplementos alimentares na imunidade antiviral

Todas as deficiências em proteínas, ácidos graxos essenciais, metaloenzimas, fatores vitamínicos e elementos antioxidantes levam a uma disfunção da imunidade.

O sistema imunológico, como qualquer outro sistema do corpo, depende da ingestão alimentar adequada e é muito sensível a déficits e desequilíbrios nutricionais. No entanto, ao contrário de outros sistemas, as necessidades nutricionais do sistema imunológico variam, muito rapidamente, dependendo da replicação e síntese celular, bem como de outras funções que demandam energia.

As deficiências dietéticas de proteínas e micronutrientes específicos há muito tempo estão associadas à disfunção imunológica. A ingestão adequada de ferro, zinco e vitaminas A, E, B6 e B12 é particularmente importante para manter a função imunológica.

Como funciona a imunidade?

O sistema imunológico ajuda a manter a integridade do organismo hospedeiro eliminando constituintes estranhos (vírus, bactérias, parasitas e outros microorganismos, enxertos, alérgenos) e constituintes “próprios” modificados. Desempenha essa função em estreita relação com outros sistemas fisiológicos, em particular os sistemas nervoso e endócrino, com os quais se comunica por meio de vários mediadores (neurotransmissores, hormônios, citocinas) e receptores específicos comuns a esses sistemas.

O sistema imunológico também produz mediadores, chamados de citocinas, que são secretados por células presentes em tecidos danificados ou infectados e desencadeiam uma resposta inflamatória. Também podem atuar, à distância, em outros órgãos, como o fígado, para estimular a produção de proteínas para a fase aguda da inflamação e no sistema nervoso central, para desencadear, em especial, o aumento da temperatura corporal (febre )

O comprometimento da imunidade mediada por células, função fagocítica, sistema complemento, citocinas, produção e secreção de anticorpos estão globalmente associados à desnutrição protéico-energética.

Deficiência de micronutrientes e vitaminas, como zinco, selênio, ferro, cobre, magnésio, manganês, Vit. A, C, E, B6 e ácido fólico podem levar a respostas imunológicas prejudicadas.

Imunidade e Nutrição:

Para funcionar adequadamente, o sistema imunológico depende, intimamente, da qualidade e quantidade dos nutrientes consumidos (carboidratos, gorduras e proteínas, água, micronutrientes e minerais).

A deficiência ou insuficiência de nutrientes, entretanto, deve ser corrigida para manter adequadamente a função do sistema imunológico.

Os carboidratos são a principal fonte de energia do sistema imunológico. A glicose é essencial para a produção de lactato para produzir a quantidade máxima de ATP (energia), necessária para a proliferação de diferentes células do sistema imunológico. As necessidades de carboidratos devem, portanto, ser atendidas durante as diferentes infecções, como, por exemplo, Covid-19.

O nível de lipídios e o tipo de ácidos graxos presentes na dieta podem, de fato, afetar as funções dos linfócitos. A composição de ácidos graxos influencia a função dos linfócitos e outras células do sistema imunológico.

A ingestão adequada de proteínas também é necessária para manter o funcionamento adequado do sistema imunológico. Na verdade, qualquer deficiência de proteína é uma das principais causas do déficit de imunidade celular e leva a uma predisposição a doenças infecciosas.

A glutamina, um aminoácido importante para certas células do sistema imunológico, é também o precursor de um poderoso antioxidante: o glutamato e um importante modulador da função de linfócitos e macrófagos. Em caso de infecção, a taxa de consumo de glutamina é semelhante ou superior à da glicose.

Durante as infecções, a suplementação de glutamina é importante porque estimula a fagocitose pelos macrófagos, ajuda a manter a população de células T circulantes e normaliza a função dos linfócitos.

  • O papel dos micronutrientes:

Vários micronutrientes são essenciais para o bom funcionamento do sistema imunológico, em particular, as vitaminas A, C, D, E, B1, B2, B6, ácido fólico, zinco, selênio, magnésio e cobre. A deficiência de micronutrientes é um problema de saúde pública global reconhecido, o mau estado nutricional geralmente predispõe a diferentes infecções. No entanto, a suplementação de micronutrientes pode aumentar a resistência à infecção.

Também chamada de ácido ascórbico, a vitamina C é uma vitamina solúvel em água conhecida por seu poderoso poder antioxidante. Fortalece a ação do sistema imunológico e protege contra infecções. Vit C também pode ter um efeito anti-histamínico, aliviando os sintomas associados a condições semelhantes às da gripe, como espirros, coriza e sinusite. Esta vitamina também demonstrou sua eficácia na pneumonia e infecções do trato respiratório inferior.

É uma vitamina lipossolúvel considerada um hormônio. É sintetizado no corpo humano, a partir de um derivado do colesterol ou ergosterol, sob a ação da radiação ultravioleta tipo B (UVB) do sol na pele para dar colecalciferol (vitamina D3).

Além de seu papel bem estabelecido na regulação da homeostase fosfocálcica, a Vit D tem outras funções fisiológicas, como em particular a manutenção do equilíbrio entre um estado pró e antiinflamatório.

Esta vitamina é um importante antioxidante solúvel em gordura que também ajuda a limitar a resposta imune descontrolada e acredita-se que tenha efeitos imunomoduladores.

Esta vitamina reúne mais de 600 moléculas, o mais importante e mais conhecido dos carotenóides é o beta-caroteno, este último há muito estudado por sua atividade de pró-vitamina A. No entanto, nem todos os carotenóides podem ser convertidos em vitamina A. no organismo são seus próprios e são independentes desta conversão.

A suplementação de Vit A reduz notavelmente a morbidade e mortalidade em várias doenças infecciosas, como sarampo, pneumonia relacionada ao sarampo, infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) e malária. A suplementação de Vit A também desempenha um papel na prevenção de complicações relacionadas a várias doenças infecciosas.

    • Vitaminas B:

Estas são vitaminas solúveis em água que desempenham um papel de coenzimas, essencialmente.

      • Vitamina B1ou tiamina: está envolvida na resposta imune e adaptação ao estresse oxidativo. Ele também tem propriedades antiinflamatórias.
      • Vitamina B6: contida na levedura de cerveja, é uma coenzima importante nas várias vias do metabolismo das proteínas. Ele também desempenha um papel importante na função imunológica.
      • Vitamina B9ou ácido fólico: o ácido fólico não é importante apenas durante a gravidez, mas também desempenha um papel fundamental na função imunológica. A deficiência de ácido fólico induz uma diminuição na resposta de anticorpos a vários antígenos.

É um oligoelemento essencial para a divisão celular e para o funcionamento da imunidade. A deficiência de zinco pode induzir, entre outras coisas, uma alteração da resposta imune, mas também um aumento do estresse oxidativo e inflamação. O zinco também é conhecido por limitar a replicação de vírus, em particular da influenza e coronavírus de RNA. Os suplementos de zinco basicamente ajudam o sistema imunológico a lutar contra as infecções virais, principalmente ao inibir a replicação de seu material genético.

É um oligoelemento conhecido por seu poder antioxidante. Essa enzima desempenharia um papel fundamental durante o ciclo celular. Além disso, a deficiência de selênio tem impacto não apenas na função imunológica, mas também na patogenicidade dos vírus, acompanhando a queda nas defesas antioxidantes. A deficiência de selênio, entretanto, induz um aumento na virulência de certas infecções virais e um comprometimento da imunidade humoral e mediada por células.

Ele desempenha várias funções biológicas no corpo. Diferentes estudos têm demonstrado o papel fundamental do magnésio na resposta imune.

É um oligoelemento essencial para a vida, está presente em muitas enzimas e proteínas. Também desempenha um papel importante no desenvolvimento e manutenção da função do sistema imunológico. A deficiência de cobre leva ao aumento da suscetibilidade a infecções.

Origens:

  • Alwarawrah Y., Kiernan K., MacIver NJ. Changes in Nutritional Status Impact Immune Cell Metabolism and Function. Front Immunol
  • Schett G., Elewaut D., McInnes I., Dayer J., Neurath M. How cytokine networks fuel inflammation: Toward a cytokine-based disease taxonomy. Nat Med
  • Gleeson M., Nieman DC., Pedersen BK. Exercise, nutrition and immune function. J Sports Sci
  • Mehta NM., Duggan CP. Nutritional deficiencies during critical illness. Pediatr Clin North Am
  • Hemilä H. Vitamin C and SARS coronavirus. J Antimicrob Chemother
  • Calder PC., Yaqoob P., Thies F. Fatty acids and lymphocyte functions. Br J Nutr

 

Clémentine. M.
Naturopathe – Aromathérapeute / Herboriste – Phytothérapeute
Consultante en phyto-aromathérapie Clinique et Ethnomédecine

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *